Telefone: (11) 5081-7850

Atividade Física

Fatores de risco para lesões em atletas amadores e profissionais de corrida: análise do perfil de 7.

 

Fatores de risco para lesões em atletas amadores e profissionais de corrida: análise do perfil de 7.731 atletas brasileiros

Pesquisa apresentada durante o 40o Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia 2008, Porto Alegre.

Autores: Rogerio Teixeira da Silva, Aline Berardi Killner, Gisele Nogueira, Lídia Ferreira de Souza, Cristiano Frota de Souza Laurino

Patrocínio: Janssen-Cilag do Brasil

Resumo:
Introdução: A corrida é um esporte que vem crescendo muito no Brasil nos últimos anos, e com este aumento tem-se observado em conjunto um aumento da incidência de lesões. Muito em detrimento da sobrecarga que alguns atletas competitivos sofrem, um estudo para avaliação destas lesões sempre foi a preocupação de todos que lidam com estes esportistas. Vários dados relacionados aos fatores de risco ainda são duvidosos, como por exemplo a escolha adequada do tipo de calçado para o tipo de pisada do corredor. Preocupados com isto, elaboramos um projeto para inicialmente saber a opinião do corredor com relação ao que ele considera importante em termos de lesão e prevenção. O objetivo principal deste trabalho foi estabelecer o perfil do conhecimento do corredor quando a lesões, material esportivo e o que subjetivamente ele considera importante para prevenção de lesões.
Material e Métodos: Seguindo dados da literatura internacional, elaboramos um questionário com 25 perguntas relacionadas a corrida (tempo de prática da corrida, se treina supervisionado por um técnico ou não, tipo de tênis que usa, se sabe ou não qual o tipo de pisada apresenta – neutra, pronada ou supinada, tipo de tênis que usa para correr, se sabe ou não avaliar de forma adequada quando o tênis deve ser trocado, se já teve alguma lesão em detrimento da corrida, além de algumas questões subjetivas que o corredor dizia o que achar importante para prevenir lesões). O questionário foi organizado através de um site de pesquisa (www.surveymonkey.com), formatado para possibilitar o máximo de precisão nas respostas. Este questionário foi enviado por email para todos os corredores cadastrados na Corpore, instituição sem fins lucrativos que organiza corridas amadoras e profissionais no Brasil. Foram enviados no total 93.060 emails, tendo retornado um total de 9.354 (10,05%). Deste total, após uma avaliação estatística inicial, foram descartados 1.623 pele fato do atleta não ter assinalado a permissão para publicação dos resultados em pesquisa científica. Restaram para a análise do trabalho 7.731 questionários, o que correspondeu a 82,65% % dos questionários recolhidos. Este projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética do Hospital São Luiz no dia 10 de março de 2008, sob o número 169/2007, data a partir da qual enviamos os emails aos atletas. A análise estatística dos dados foi realizada descritivamente com cálculo de freqüências e percentuais. Para os cruzamentos foram utilizados os testes de Qui-Quadrado e teste exato de Fisher, utilizando-se o nível de significância de 5% (p-valor < 0.05).
Resultados: Do total de 7.731 questionários 2.130 (27,6%) foram respondidos por mulheres e 5.601 (72,4%) foram respondidos por homens. A maioria dos atletas se situava na faixa etária dos 30 aos 49 anos (5.122 ou 66,3%). O maior parte dos atletas corria regularmente há mais de 2 anos (5.045 ou 65.25%), e praticamente todos competem mais frequentemente em corridas de 10 quilômetros (km) de distância (89,3%). Somente 730 atletas (9,4%) relataram correr maratonas. Com relação ao percurso semanal de treinamento, a maioria treina um total de até 50km por semana

(6.834 atletas, ou 88,4%). Com relação ao conhecimento do tipo de pisada, praticamente metade disseram nunca ter realizado uma avaliação de pisada. Na questão sobre o conhecimento de quando se deve trocar o tênis, somente 1.185 (15.3%) assinalaram corretamente a alternativa que indica que o tênis deve ser trocado dependendo de quantos km foram percorridos. A ocorrência de pelo menos uma lesão que necessitasse de tratamento médico foi relatada por 4.104 atletas (53,1% do total), porém boa parte dos atletas já tratou de alguma dor em decorrência da corrida sem procurar o médico (5.508 ou 71,2%), principalmente quando esta dor foi muscular. O uso de gelo no local (45,9%) e ficar um tempo sem correr (42%) e o uso por conta própria de medicação (30,6%) foram os métodos caseiros mais utilizados. Os atletas consideraram fatores importantes para a prevenção de lesão (em ordem decrescente): tênis com absorção de impacto, orientação de médicos e fisioterapeutas quanto a especificidade das lesões nos corredores, realização periódica de exames preventivos, saber o tipo de pisada, treinamento com técnico de corrida, uso de palmilha para absorver impacto Após os cruzamentos estatísticos, foram considerados critérios de alto risco para lesão: atletas de maior idade (p<0.0001), atletas que usam o mesmo tênis de corrida por mais de 12 meses (p<0.0001), tempo de prática da corrida acima de 5 anos (p<0.0001), quilometragem maior do que 50km por semana de treinos (p<0.0001)

Discussão: Como observamos em nosso estudo, muitos dados ainda estão sem serem esclarecidos aos atletas, com relação a prevenção de lesões. Metade da população estudada, praticamente, já relatou ter sofrido lesões em detrimento da corrida, que o fizeram procurar o médico, porém grande parte dos atletas de corrida ainda continuam tendo dores e se tratando sem procurar um médico. Este auto-tratamento pode retardar um diagnóstico precoce, o que pode explicar em parte a alta incidência que observamos em consultório de lesões crônicas em corredores. Levando em consideração o que foi relatado pelos corredores, acreditamos que várias estratégias de prevenção de lesões podem ser estabelecidas, e entre elas a melhor orientação quando a especificidade das lesões nesta população específica. Acreditamos que somente estas estratégias poderão fazer com que os corredores, no futuro, possam desenvolver o seu esporte de maneira mais saudável. 

 

 

Lesões no Skate

Artigo sobre Lesões no Skate apresentado como e-poster durante o ISAKOS Congress 2003, Auckland, New Zealand

In: 2003 ISAKOS CONGRESS, 2003, Auckland - New Zeland. Programa Oficial, 2003. v. 1.

Clique aqui para ler o artigo completo

Dr. Cristiano Frota de Souza Laurino

Lista de substâncias e métodos proibidos - WADA 2015

 

Segue a lista de substâncias e métodos proibidos da WADA 2015.

Clique aqui para ver a lista completa.

Dr. Cristiano Frota de Souza Laurino

 

Busca

eventos

VÍDEO MAIS VISTO

 

Assine nossa Newsletter

Temos 86 visitantes e Nenhum membro online

atividade
exercicio

Artigos Científicos


 

Localização

Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 2850
Jardim America, São Paulo,
CEP:01442-002
Telefone: (11) 5081-7850