Telefone: (11) 5081-7850

Perna

Síndrome do Estresse Tibial Medial

Alguns autores utilizam o termo “Reações de Estresse” para as contínuas modificações ósseas em resposta às cargas aplicadas, podendo variar desde uma simples remodelação óssea fisiológica até a fratura de estresse propriamente dita.

O osso é uma estrutura visco elástica constituída por 90% de fibras colágenas e 8% do seu peso cortical é composto por cristais de hidroxiapatita. Tal estrutura permite que o osso resista às forças deformantes de características variadas, tendo o colágeno a principal característica de resistir às forças de tensão, enquanto os cristais de hidroxiapatita resistem principalmente às forças de compressão.

Os ossos são estruturas capazes de sofrer modificações continuamente em resposta a estímulos deformantes.

O fenômeno fisiológico da “Remodelação Óssea” manifesta-se continuamente no osso vivo, propiciando uma série de adaptações geradas em resposta aos fatores mecânicos (direção, intensidade, freqüência das cargas aplicadas), dietéticos e hormonais. A remodelação fisiológica pode sofrer um desbalanço no binômio .

Os músculos envolvem as estruturas ósseas e funcionam como fatores de proteção externa, geram tensão e promovem a execução de movimentos. Tais propriedades representam fatores de absorção de choque e proteção óssea constante. A fadiga muscular observada nas situações de sobrecarga física contribui para o desencadeamento das fraturas de estresse, na medida em que forças serão diretamente transmitidas ao osso onde a musculatura relacionada estiver comprometida.

As condições ambientais tais como as características do treinamento também são consideradas fatores de risco às reações de estresse (sd do estresse tibial e fratura de estresse).

Os estudos em corredores de longa distância apontam para alguns fatores como, as modificações súbitas nas características do treinamento tais como o aumento da distância percorrida e da velocidade, o condicionamento físico insuficiente, as condições de superfície inadequadas (piso e calçado) e a reabilitação insuficiente de lesões pregressas.

A história do atleta com sd do estresse tibial caracteriza-se por dor de caráter insidioso e progressivamente limitante para a atividade esportiva localizada na região anterior e medial da perna. A dor promove uma adaptação lenta às condições de treinamento, um aumento dos intervalos entre as séries de exercícios, diminuição da intensidade de execução de alguns movimentos específicos, diminuição da freqüência dos movimentos, diminuição do tempo total de treinamento, a necessidade de utilização de órteses (palmilhas, faixas elásticas), trocas de equipamento esportivo e uso de medicamentos analgésicos ou antinflamatórios.

Algumas semanas depois do início da lesão, a dor pode se tornar mais intensa, causando incapacidade funcional para o esporte.

O diagnóstico da lesão se baseia nos dados de história, exame físico geral, exame físico ortopédico, exames laboratoriais subsidiários e métodos de diagnóstico por imagem.

SETM

 

A suspeita diagnóstica das reações de estresse se faz necessária em virtude dos sinais e sintomas serem semelhantes às patologias comuns entre os atletas, como as lesões musculares e as tendinopatias.

A tíbia é a topografia mais comum das fraturas de estresse em atletas e representa 50% do total.

A dor é geralmente localizada e apresenta caráter insidioso, piora com as atividades de impacto e manifesta-se inicialmente após o treinamento, evoluindo para a limitação progressiva da atividade física.

O tratamento conservador se baseia na manutenção das atividades físicas para a o condicionamento cárdio-vascular, evitando a realização de movimentos com situações de impacto (saltos, corridas).

As atividades de vida diária são mantidas sem limitações, inclusive a deambulação com carga é permitida desde o início do tratamento.

O uso de medicações antinflamatórias e analgésicas, assim como a crioterapia na fase aguda permitem aliviar a dor, condição esta que permite ao atleta iniciar precocemente o processo de reabilitação específico. Neste processo, o atleta inicia progressivamente o retorno às atividades de caminhada, trote e corrida até a normalização das condições de treinamento.

As “Canelites” na Corrida

As dores nas pernas são queixas muito frequentes nos corredores e as “canelites” representam 6% a 16% de todas as lesões nos corredores.

A “canelite”, considerada uma lesão por sobrecarga no esporte, é o nome popular da síndrome do estresse tibial medial (SETM), primeiramente descrita como uma dor induzida pelo exercício e localizada especificamente na margem posterior e interna (medial) da tíbia.

Outras denominações são encontradas na literatura, tais como: a “dor na perna induzida pelo exercício” e a “tibialgia”.

perna_2

Embora vários estudos tenham procurado estabelecer as causas exatas para o surgimento da dor na “canelite”, esta questão permanence ainda não resolvida. Até recentemente, a teoria mais aceita é a inflamação do tecido que recobre o osso da tíbia (periósteo), gerada pela tração dos músculos sóleo e flexor longo dos dedos, além do tecido que recobre os músculos, a fáscia profunda.

Mais recentemente, estudos apresentam a teoria de que a “canelite” não corresponde a uma inflamação, mas sim a uma resposta de formação e absorção de osso, secundária à tração que os músculos exercem sobre a tíbia.

A sensação de “dor óssea”, gerada durante a corrida e aterrissagem dos saltos, tem uma evolução progressiva. No início, a dor apresenta baixa intensidade, mas pode evoluir para grande intensidade, impossibilitando o atleta de continuar o treinamento.

A dor tem uma extensão de 4 a 6 cm, localizada principalmente na margem posterior e interna (medial) da tíbia. Os sintomas podem durar dias a meses e provocar mudanças no rendimento do atleta. Os movimentos do pé e tornozelo geralmente não desencadeiam dor, porém os movimentos de alongamento do músculo sóleo e os saltos com uma perna podem ser sintomáticos.

Os fatores predisponentes ao aparecimento das canelites são ainda amplamente discutidos, tais como: a pronação excessiva, as atividades de impacto repetitivo, o aumento súbito na freqüência, intensidade e duração da atividade esportiva, o treinamento em superfícies rígidas, algumas técnicas de treinamento, calçados inadequados, os desequilíbrios musculares, as deficiências de flexibilidade, os índices de massa corporal elevados, as lesões pregressas e as anormalidades biomecânicas.

A ressonância magnética é o melhor método de imagem para o diagnóstico específico de cada estágio, fornecendo dados mais confiáveis à respeito da duração e da extensão da lesão. O entendimento da evolução desta lesão é de grande importância para o acompanhamento clínico e o tratamento do atleta.

SETM

As formas de tratamento são inicialmente conservadoras, através da utilização de medicamentos (sob prescrição), as compressas com gelo (crioterapia), os exercícios de alongamento, as modificações no treinamento e as correções biomecânicas, dentre outros métodos. O tratamento cirúrgico fica reservado aos casos mais duradouros e sem melhora com os métodos conservadores.

Cuide das suas pernas e bons treinos !

Busca

eventos

VÍDEO MAIS VISTO

 

Assine nossa Newsletter

Temos 70 visitantes e Nenhum membro online

atividade
exercicio

Artigos Científicos


 

Localização

Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 2850
Jardim America, São Paulo,
CEP:01442-002
Telefone: (11) 5081-7850