Telefone: (11) 5081-7850

Tornozelo

A Síndrome do Túnel do Tarso do Tornozelo

As dores no pé e tornozelo figuram entre os sintomas mais comuns entre praticantes de esportes. Algumas dores podem surgir em decorrência de compressões de nervos localizados em regiões específicas.

A Síndrome do Túnel do Tarso (STT) é uma condição causada pela compressão do nervo tibial posterior ou alguns de seus ramos dentro de um túnel ósseo e fibroso chamado de túnel do tarso.

O túnel do tarso cobre alguns tendões flexores, a artéria tibial posterior e o nervo tibial posterior, localizados abaixo e à frente (distal) ao maléolo tibial (proeminência óssea da tíbia na parte interna do tornozelo).

RFoot_125

Os primeiros a descreverem a STT e suas formas de tratamento foram Keck e Lam em 1962, e desde então a literatura ainda desconhece a frequência com que a STT aparece na população em geral e entre praticantes de esportes.

Os sinais e sintomas variam entre pessoas com a mesmo diagnóstico, onde podemos citar: dor vaga localizada na região medial do tornozelo e pé, alterações de sensibilidade da pele local (“sensação de formigamento”, redução da sensibilidade ao toque leve e temperatura) distúrbios motores com atrofia da musculatura do pé e anormalidades na caminhada (hiperpronação). As dores podem se confundir com o diagnóstico de fasciite plantar.

O exame clínico revela irradiação da dor ao longo do trajeto do nervo após a percussão do local doloroso.

As causas extrínsecas (externas) da compressão do nervo tibial abrangem lesões por esmagamento no pé e tornozelo (acidentes), lesões por estiramento, fraturas, luxações (deslocamentos de uma ou mais articulações) e entorses graves do tornozelo.

As causas intrínsecas ou locais que comprimem o nervo incluem proeminências ósseas, tumores localizados (lipomas, gânglios) e vasos sanguíneos anormais (varizes).

Outra causa mecânica capaz de desencadear a STT é a tensão gerada no nervo provocada pelos pés planos e valgos ou naqueles indivíduos com pronação exagerada durante a aterrissagem na caminhada ou corrida.

A compressão do nervo provoca alterações no funcionamento das células nervosas. Os nervos são responsáveis por transmitir sinais para cima e para baixo e também distribuem internamente seus próprios nutrientes. A compressão do nervo pode causar um bloqueio no fluxo de nutrientes para as regiões mais terminais do nervo, o que o torna mais susceptível aos sintomas à distância da lesão original.

A avaliação de um especialista é fundamental no diagnóstico clínico e pode ser auxiliada por exames de diagnóstico por imagem, procurando zonas de compressão do nervo e alterações na qualidade óssea abaixo da área de compressão.

O tratamento clínico e medicamentoso deve ser iniciado com abordagem específica para a dor. A fisioterapia analgésica também deve ser instituída precocemente.

O tratamento cirúrgico se baseia na aplicação de técnicas de descompressão do nervo e pode ser indicado nos casos onde não houve sem melhora após longo período de tratamento clínico (superior a 3 meses).

As compressões nervosas geram sintomas de longa duração e podem ser muito difíceis de serem tratadas. Quanto maior for o tempo da existência da lesão sem diagnóstico, piores serão os resultados do tratamento.

Não perca tempo, procure um especialista caso sua dor persista.

Bons treinos!

Busca

eventos

VÍDEO MAIS VISTO

 

Assine nossa Newsletter

Temos 37 visitantes e Nenhum membro online

atividade
exercicio

Artigos Científicos


 

Localização

Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 2850
Jardim America, São Paulo,
CEP:01442-002
Telefone: (11) 5081-7850